Estiveram presentes na cerimônia o prefeito de Caraguatatuba, Aguilar Junior, o secretário de Turismo, Rodrigo Tavano, o secretário adjunto, Cristian Bota, o idealizador da festa, Milton Balbino, a representante da Casa Esmeralda, Cristiane Tirado e o Pai Alberto de Ogum, representante da Abratu (Associação Brasileira dos Religiosos de Umbanda, Candomblé e Jurema).

abertura da festa contou com a apresentação do Grupo Odé da Mata, depois a apresentação de Ruan Caires, do Templo Escola Fraternidade e Luz de Caraguatatuba e Canto do Hino de Abertura pelo Ogã Guilherme Correia, da Casa Tuccca Caraguatatuba.

“É o segundo ano que participamos da festa. Agradeço a atual gestão, pois as casas tem uma dívida de gratidão pelo apoio que recebem. Somente no ano passado, atendemos mais de 300 pessoas”, destaca a representante da Casa Esmeralda, Cristiane Tirado.

Quem também agradeceu o apoio e parceria pela religião foi o Ogã Guilherme Correia, da Casa Tuccca Caraguatatuba.

Pai Alberto de Ogum, representante da Abratu, reforça a abertura de novas casas no Litoral Norte. “Novas casas estão nascendo e vemos essa linda missão do prefeito de apoiar cada vez mais a festividade. Já estamos pensando em abrir uma sede da Abratu no Litoral Norte”.

Emoção marcou o discurso do idealizador da festa, Milton Balbino. “Ajudei a construir a imagem de Iemanjá e hoje vejo a grandeza da festa. Só tenho a agradecer a Secretaria de Turismo e ao prefeito que tem dado muita força ao umbandista”.

Já o prefeito Aguilar Junior fez questão de lembrar dos 35 anos da festa. “É uma alegria imensa, enquanto gestor, poder ajudar a festa e homenagear essa referência da Umbanda, Senhor Milton. Quem toca no coração do ser humano é a religião. Agradeço a receptividade que tenho entre os umbandistas, fico muito feliz”.

Fonte: Agora Vale

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.