Na Bahia, na cidade de Salvador, Povos de santo de sete terreiros de Salvador ganharam nesta terça-feira (22) uma horta própria com plantio de mudas específicas que são comumente utilizadas nos cultos e rituais das religiões de matriz africana.

O equipamento foi entregue pela prefeitura, atendendo a um pedido antigo dos representantes das casas de santo. A Horta de Folhas Sagradas fica localizada no Terreiro Ilê Axé da Nação Ketu, na Avenida Aliomar Baleeiro, Estrada Velha do Aeroporto.

A ação é fruto de uma parceria entre as secretarias municipais da Reparação (Semur) e de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis). A horta foi instalada em um espaço de 12 metros de comprimento por 3 metros de largura, onde estão as sete leiras que abrigam mudas de diversos tipos de ervas utilizadas nas práticas litúrgicas, como alecrim, arruda, erva doce, manjericão miúdo, manjericão grosso e sálvia. A pedido dos líderes do terreiro, mudas de cebolinha, salsa e coentro também foram plantadas.

Para o presidente do Conselho Municipal das Comunidades Negras (CMCN), Eurico Alcântara, a horta é um verdadeiro presente. “Estávamos precisando ir comprar nossas ervas e plantas nas feiras da Sete Portas e São Joaquim. Agora temos na nossa própria casa tudo que precisamos. Há muito tempo batalhamos por isso e agora virou realidade. Somos muito gratos”, disse.

O subsecretário de Reparação da Semur, Valcir Silva, explicou o processo de implantação da horta. “Em novembro passado, a Prefeitura promoveu um grande encontro com representantes de mais de 300 terreiros onde discutimos quais seriam essas mudas. Depois dessa seleção, fomos verificar o espaço físico e, na sequência, cadastrar os sete terreiros, um por nação, que farão uso da horta”, afirmou.

Após a implantação do projeto-piloto, a prefeitura estuda levar a horta específica para povos de santos a outras regiões da cidade.

Fonte: Bahia.ba

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.