Com a intenção de explorar as consequências da discriminaçãoétnica-racial e religiosa nas relações de trabalho, produção e consumo, a Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) promovem um simpósio internacional em Brasília. O evento ocorre de 5 a 8 de novembro, e é voltado para discutir os preconceito contra indígenas, negros, quilombolas e religiões de matriz africana.

Ao longo dos quatro dias, o simpósio reunirá mais de 60 autoridades, pesquisadores e especialistas que realizarão palestras e discussões sobre diferentes temas, como a escravidão e ações de reparo. Durante as tardes de 6 e 7 de novembro, será realizado o 1º Conclave Acadêmico Internacional sobre os temas relacionados. O evento tem o apoio da Organização do Trabalho (OIT) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). 

Entre os palestrantes confirmados, estão Miguel de Barros, sociólogo guineense eleito como a personalidade mais influente do ano em 2018 pela Confederação da Juventude da África Ocidental (CWAY); o ex-primeiro ministro do Mali Cheick Modibo Diarra; e a presidente do Instituto Afro-Brasileiros, Elizabeth Larkin Nascimento. Além de líderes indígenas, quilombolas e religiosos. 

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até as 12h de 21 de outubro pelo site da ESMPU. As vagas, no entanto, são limitadas. O simpósio ocorrerá na Sede da Procuradoria-Geral do Trabalho. Para mais detalhes sobre a programação e sobre os palestrantes, acesse o edital do simpósio clicando aqui.  

Serviço 

Simpósio Internacional “Indígena, Negro/a, Quilombolas e Religioso/a de Matriz Africana: Preconceito, Racismo, Discriminação e seus reflexos nas relações de Trabalho, Produção e Consumo”

Data: 5 a 8 de novembro

Inscrições: até 12h de 21 de outubro, pelo site.

Local: Sede da Procuradoria-Geral do Trabalho, em Brasília (SAUN, Lote C, Torre A).

Custo: evento gratuito, mas não cobre gastos como transporte e alimentação.

Fonte: CB Cidades

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.