comunidade do conjunto Maguari e os filhos do terreiro de candomblé “Ilê Íyá Omi Ásé Òfá Kare” se reúnem, neste sábado, 19, para a 32ª edição das “Oferendas de Oxóssi”, ritual que celebra o orixá das matas em Belém (PA). Este ano, a festa tem como tema a proteção das florestas e dos rios amazônicos. Inserido em uma rede que reúne cerca de 1.200 terreiros de religiões de matriz africana em Belém e região metropolitana, o templo do Coqueiro encerra seus festejos com um candomblé aberto à população a partir das 20h30.

São sete dias de festividades, iniciadas ainda na segunda-feira, 14, quando foi celebrada a ancestralidade dos orixás na tradição do candomblé. Já na quinta-feira, 17, foram realizadas ofertas de alimentos a Oxóssi. Por fim, nesta sexta, os filhos do terreiro passam a noite no local, quando preparam suas oferendas, conforme a orientação de seus orixás.

 “Nestes dias, todos do ilê [casa] sentam-se numa mesa e se alimentam com peixe e vinho branco”, explica o babalorixá Edson Cantedê, principal liderança do templo. “Quem é filho de Ogun, leva dendê; quem é filho de Ossanhe, leva folhas; quem é de Oyá, leva acarajé”, lista Catendê, se referindo à oferenda e seus respectivos orixás a serem feitas durante as celebrações.

Segundo o sacerdote, conforme a tradição do candomblé, “Oxóssi é o grande guardião das matas e sempre sabendo o que é melhor para o seu povo, a melhor direção”. Realizada anualmente, a celebração a Oxóssi pede proteção aos filhos do ilê e convívio harmonioso em comunidade. Moradas de Oxóssi, matas e rios, portanto, devem ser protegidos. “Oxóssi é fartura, é abundância. Ele nos ensina a buscar alimento, a espantar os males. Oxóssi é o senhor da humanidade”, explica o babalorixá. “Neste ano, pedimos a proteção de das nossas matas e das nossas águas, para que o equilíbrio se reestabeleça na terra.”

 Comunidade

 Fundado em 1985, o templo “Ilê Íyá Omi Ásé Òfá Kare”, localizado no conjunto Maguari, bairro do Coqueiro, na periferia da capital paraense, é dirigido pelo babalorixá Edson Catendê de Oxóssi. Em mais de 30 anos de funcionamento, o terreiro passou a fazer parte do cotidiano do bairro. “A comunidade do nosso entorno é amiga e participa das atividades do terreiro. As mães trazem as crianças para serem cuidadas de quebranto e outros problemas espirituais”, conta Edson Catendê.

 O terreiro faz parte da Afaia (Associação dos Filhos e Amigos do Ilê Iyá Omi Ase Ofa Kare), organização que atua na difusão e implementação de políticas públicas para comunidades tradicionais de matriz africana, realizando atividades nas áreas de música, teatro, dança, culinária, estética africana e empreendedorismo. A Afaia, por sua vez, compõe a comunidade afrorreligiosa de Belém, que conta com mais de 1.200 casas de religiões de matriz africana em toda a região metropolitana, de acordo com o Mapa do Axé, levantamento realizado pelo governo federal.

 SERVIÇO

 Oferendas de Oxóssi

 Data: 19 de outubro, a partir das 20h30

 Local: Templo “Ilê Íyá Omi Ásé Òfá Kare”

 Endereço: avenida Principal, esquina com alameda 24, nº 86, conjunto Maguari, bairro do Coqueiro, Belém (PA).

Fonte: Diário Online

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.