O padre Luiz Augusto Ferreira da Silva gerou a revolta de seguidores com um post em seu Instagram;

Na mensagem, ele criticou a inclusão da Procissão de Pretos Velhos no calendário oficial do Município de Aparecida.

A novidade foi introduzida por Projeto de Lei de autoria do Executivo aprovado pela Câmara e sancionado pela prefeitura em 2019.

Na rede social, o católico escreveu: “Só essa que faltava”.

Na sequência, ele ainda apontou como uma suposta contradição o fato de o prefeito da cidade, Gustavo Mendanha, declarar-se evangélico.

Nos comentários, a maioria das centenas de mensagens critica o posicionamento do padre.

“Vergonha é um homem que se diz de Deus esparramando intolerância”, escreveu um internauta.

'Só o que faltava', diz Padre Luiz sobre Dia de Pretos Velhos em Aparecida | Foto: Reprodução / Instagram

Terreiro

Sacerdote do Terreiro Nzo ia Uzola Mukongo, o religioso Tata Kiualaguanji declarou que a comunidade de Umbanda e Candomblé quer apenas que seus ancestrais sejam respeitados, assim como a sua manifestação religiosa.

“A intolerância, o ódio e o preconceito com os terreiros e as entidades de Umbanda precisam ser desconstruídos”, afirmou.

Tata ainda destacou que os Pretos Velhos da tradição afro-brasileira são figuras de “empatia e simplicidade”.

“O Preto Velho traz a essência dos negros que vieram para o Brasil para serem escravizados e passaram por tantas dificuldades. Ele se manifesta para trazer uma palavra de conforto, paz, amor, respeito e caridade, para que as pessoas se fortaleçam”, explicou.

Agora, os representantes do Terreiro já acionaram um advogado e pretendem acionar o padre na Justiça pelas declarações.

Padre Luiz

Conhecido em Goiânia pela época em que comandou a Paróquia Sagrada Família, na Vila Canaã, Luiz está desde 2012 à frente da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, no setor Expansul, em Aparecida.

Procurado pela imprensa para prestar declarações, o padre não se manifestou.

Fonte: Folha Z

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.