Recepcionada pela família de Arlindo Cruz, ela conheceu lojas de produtos religiosos de matriz africana e se surpreendeu com a preservação de simbolismos da cultura ioruba

O Mercadão de Madureira, na Zona Norte do Rio, recebeu nesta sexta-feira a visita a princesa nigeriana Dra. Toyin Kolade. Em sua primeira vinda ao Brasil, a princesa, que também é empresária e socialite, conheceu as lojas de produtos religiosos de matriz africana do local que é um dos principais polos do setor no Rio. Ela foi recepcionada pela família do sambista Arlindo Cruz, que preparou um pocket show de Arlindinho para saldar sua presença.

— É muito importante para nós que somos do candomblé a presença dela aqui, juntamente num momento onde o preconceito cresce e contribui para o aumento da violência contra os praticantes das religiões atriz africana — comemorou Babi Cruz, mulher do sambista Arlindo Cruz que se recupera de um AVC.

A princesa nigeriana Dra. Toyin Kolade veio ao Brasil em missão dada pelo rei de Ifé SMI Ooni, que esteve no país no ano passado. Seu principal objetivo é estreitar os laços comerciais e culturais entre os dois países. Como empresária, a princesa atua no mercado de importação e exportação, sendo cotada como uma das mulheres mais bem sucedidas da cidade nigeriana de Lagos.

Dra. Toyin Kolade é responsável por ações culturais como o Festival de Aje, também comemorado no Brasil entre adeptos das religiões de matriz africana como parte da tradição ioruba em agradecer e pedir pela prosperidade nos negócios e nas decisões. Por conta disso, ela carrega o título de Iyalaje de Ilê Ifé, que traduzindo seria senhora mãe do lucro, da prosperidade.

Caminhando pelo Mercadão, a princesa se disse surpresa com a preservação dos simbolismos da cultura ioruba nos produtos à venda no centro comercial.

— É muito bom saber que as tradições trazidas pelos africanos para cá há mais de um século ainda são preservadas e seguem muito próximas de suas raízes — disse Kolade.

FONTE: Jornal O Globo

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.