Dormir na esteira representa o retorno ao principio da vida, o reencontro com a terra, com a ancestralidade. Dormimos e repousamos nosso corpo na esteira para ter contato com o elemento que nos deu a vida e nos ampara durante toda nossa trajetória: a terra!

Repousando nosso corpo sem luxos e sofisticações,esquecemos a vaidade, as futilidades e os confortos da vida moderna.

Chamadas de decisa pelos Bantus (Candomblé de Angola), de enim pelos yorubás (Candomblé de Ketú) e de zocré pelo povo fon (Candomblé de Djedje), as esteiras são feitas de palha, um dos emblemas de Obaluaiye.

Para as obrigações usamos a esteira conhecida como nagô (nàgó), aquela bem fina, confeccionada com palha trançada. Um outro tipo de esteira, de palha grosseira, confeccionada com os fios horizontais amarrados com cordão, é mais utilizada, em algumas casas, nas funções de Egungun.

A esteira quando a pessoa esta recolhida, serve também como “mesa”, porque neste local o iyawo fará suas refeições.

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.