MODO DE PREPARO

  1. Coloque os feijões inteiros num processador de alimentos e bata por alguns segundos para quebrar os grãos.
  2. Cuidado para não esmigalhar.
  3. Coloque os feijões num recipiente e cubra com água.
  4. Deixe de molho por no mínimo 12 horas.
  5. Agite os feijões com uma colher e com uma peneirinha vá retirando todas as cascas que se desprendem dos feijões.
  6. Depois de retirar bastante as cascas, lave os feijões sob a água corrente e continue retirando ?o olhinho? e o restante das cascas.
  7. Retire o máximo possível.
  8. Reserve.
  9. Descasque as cebolas.
  10. Corte em pedaços.
  11. Reserve.
  12. Num processador, coloque os feijões e as cebolas.
  13. Bata por 3 minutos, ou até obter uma pasta lisa e uniforme.
  14. Retire toda a pasta do processador e coloque dentro de uma panela grande e funda.
  15. Com uma colher de pau, bata a massa do acarajé até que a massa triplique de volume.
  16. Esse processo é bastante demorado mas é importantíssimo para a fermentação.
  17. Coloque o óleo, o azeite de dendê, e a cebola com casca numa panela média e leve ao fogo alto para esquentar.
  18. Com duas colheres de sopa, modele os acarajés: encha uma das colheres com a massa, passe de uma colher para a outra até que a massa fique com formato de bolinho.
  19. Coloque os bolinhos no óleo bem quente e frite por 3 minutos de um lado.
  20. Com uma escumadeira, vire os bolinhos e deixe fritar até que fiquem dourados.
  21. Regule a temperatura do óleo.
  22. Se for necessário, abaixe a chama do fogo para que o óleo não queime.
  23. Retire os bolinhos com uma escumadeira e coloque sobre papel absorvente.
  24. Corte os bolinhos ao meio e recheie com vatapá.
  25. Coloque o camarão seco dentro do acarajé e feche.
  26. Sirva a seguir.

FONTE: PANELINHA COM SABOR

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.