Em dias de penumbra e turbulência, é necessário que sejamos esteio e luz para aqueles que com toda certeza estarão mais sensíveis e desprotegidos, a margem das políticas assistenciais, que deveriam lhes oferecer abrigo diante da perseguição já não mais tão velada que temos vivido no Brasil.

É fato que hoje, os adeptos de todas as religiões de Matriz Africana, (e aqui não nos fazemos de rogados em abranger a todas as suas denominações), sofrem perseguição religiosa e máculas promovidas pelos discursos de ódio e cerceamento de direitos comuns aos nossos dias.

Assim, acreditamos que a solução para este problema é nos organizarmos, nos unirmos, de forma que possamos contar com canais de conexão, união e influência postural que nos permitam perceber o quanto precisamos ser orgulhosos por sermos quem somos. O quanto somos resistentes por nos adaptar a tudo que nos adaptamos por amor a nossas crenças e ainda assim CRESCER.

Já era hora de criticarmos duramente o preconceito que sofremos de forma externa, pelos não adeptos de nossos cultos, quanto de forma interna, praticado por nós mesmos, quando por ignorância criticamos os nossos irmãos, seja por práticas diferentes dos mesmos ritos que os nossos, por cantigas, rezas ou pela absorção cultural que ocorreu de forma diferente em suas casas e linhagens espirituais.


As religiões de Matriz Africana nasceram diferentes e com todas as pressões e perseguições que covardemente sofremos com o passar dos anos, é natural que alguns valores tenham sido invertidos. Somos diferentes por natureza e é exatamente isso que nos faz tão especiais e tão plurais. É não ter vergonha de ser quem somos, é ter orgulho por cultuarmos os Deuses que bailam em nossos corpos e nos tornam capazes de nos tornarmos cada vez mais fortes.

O preconceito não deve fazer parte de nossa essência. Nos perdemos no meio do caminho e nesse momento, precisamos nos dar as mãos pra nos reencontrarmos.

Written by

Matriz Africana

Movimento político de união e acolhimento "Matriz Africana", que visa agregar, unir, acolher, conectar e informar a todos os adeptos de religiões de Matriz Africana de forma que se possa empoderar, garantir direitos e proteger a liberdade de culto e os povos de axé. Aqui se troca conhecimento, informação e apoio.